segunda-feira, 22 de outubro de 2007

"A minha brincadeira de dizer verdades"

Era tarde, após um dia inteiro de estudo e correria, o pôr do sol anunciava enfim o descanso merecido, ela, como sempre, estava com ele, mas hoje não iam sós um amigo de faculdade os acompanharia até metade do caminho de volta pra casa. Durante a volta ela aconselhava o amigo em algumas questões amorosas... Afinal, ela queria ver mais um casal de amigos dela juntos. Depois da despedida, o amigo de ambos foi embora e sobrara só ela e ele. Ela se gabava de mais um casal que juntara, mais um pra aumentar a fama de cupido! Ele escutou todo mar de elogios próprios que ela fizera calado, depois deu um sorriso infantil, como quem guarda um segredo infame, e disse rapido e secamente:
- Arruma a bagunça dos amigos porque não sabe arrumar a sua própria bagunça!
Heloisa olhou com cara de quem finge que não entendeu, mas no fundo ele a tinha pegado no que ela mais gostava de fazer: metáforas. Ela tentou ficar quieta e deixar tudo como um comentário irrelevante e fútil, mas não conseguiu. Perder era uma coisa que não aceitava então retrucou:
- Não é verdade e não sei porque está me dizendo isso! Estou muito bem comigo mesma... Tenho tudo que alguém sonha ter... O que mais me falta?
- Não falta nada por que você se convenceu de que está completa. De que tem tudo que precisa e, por esse motivo, foge daquilo que pode fazer essa mentira desmoronar...
Heloisa sentiu aquelas palavras lhe cortarem a face como facas, ele sempre lhe dizia as coisas mais sinceras, mas que ela se recusava a aceitar como verdades. Mas naquela tarde era tudo diferente. Ele tinha desmascarado toda uma armadilha que ela mesma tinha se armado e tudo estava confuso. Ela via as pessoas passando na rua, o sol se pondo e o céu em tons avermelhados .Pensava se aquilo era mesmo possível. Durante muito tempo fora muito mais cômodo mentir pra si mesma e dizer que tudo estava como ela sempre imaginou, mas ela sabia, no fundo sabia, que nada estava bem. Ela sabia que a cada dia que passava, a cada pessoa nova que ela conhecesse, novos defeitos surgiriam, novos problemas a impidiriam e ela fugiria, do outro e de si mesma. Era tudo como em um filme de comédia romântica com o pequeno detalhe de que nada ali era ilusório ou fictício.
Ela não sabia como tinha conseguido se enganar por tanto tempo, mas sabia a causa disso tudo. O que fazia tudo ser bem mais doloroso...
Enquanto era só mais uma mentira escondida no seu íntimo era suportável, mas ela tinha se deixado vulnerável a ponto de que ele pudesse enxergar nela a sua fragilidade, aquela fragilidade que ela fazia questão de esconder atrás do rosto que transparecia segurança e descontração.
Todos aqueles pensamentos confusos vinham como um turbilhão na sua cabeça, ela já não mais via as pessoas ao seu redor, nem mesmo em que tom o céu estava depois da última vez que o havia olhado, o ônibus andava cada vez mais rápido, como em compasso com o ritmo da sua confusão. Desesperada e atordoada soltou a única frase que lhe pareceu servir como defesa:
- Cale a boca! Eu não quero escutar mais nada disso!
Ela precisava se defender, se sentia de novo desarmada, frágil, indefesa e essa sensação a aterrorizava!
Eles passaram a noite ali calados, em um cúmplice silêncio que denunciava que algo de estranho havia acontecido, algo que ela queria esquecer mas não conseguia. Ela sabia que não tinha como fugir dele e que mesmo calado, ele a incomodava. Incomodava de um jeito nada sutil, pois ela sabia que de um jeito ou de outro, seu subinconsciente estava sempre certo. E ela perdera. Heloisa odiava perder.

4 comentários:

Kaká =D disse...

Um texto estilo à la Adrielly...
=D

Claro, os dela não se comparam, mas não achei nada mais apropriado pra escrever isso!

Adrielly Soares disse...

Aimmm eu ameiiii.
E putz, ele ainda ficou lá do lado dela,
ela devia estar querendo matá-lo,
tipo vai embora poha,
você me analisa, me desmonta
e ainda fica deixando sua presença me perturbar.
humpf pra ele.

E ela me lembrou alguém.
=X

Amo muieh
To indo no cabelereiro
ver se mecho no meu pichaim.
asduhasudihaiudh
;D

Adrielly Soares disse...

Putz amei mais ainda depois da Explicação.
Ohnnn ele estava dentro dela
*.*

AMei.

=*meliga

Adrielly Soares disse...

COnotações sexuais a parte
asdhiahuidshaudha$
Não foi isso que eu
quis dizer aimmm.
asdhiuahsdiuahds
Eu pensei justo na parte
fofa do negócio sabe.
asdbhashdiauhds



AMo.³³³