quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Conformidade.

Ontem, no aniversário da Adrielly, senti saudades da minha vida de colegial.
Ao deitar pra dormir e colocar a cabeça no travesseiro lembrei de coisas que jamais pensei um dia sentir falta. Percebi que até mesmo as aulas mais chatas deixaram um quê de nostalgia, não pelo conteúdo, mas pelas companhias, pelas besteiras ditas todos os dias e pelas brincadeiras incessantes e que nunca eram suficientes. Lembrei de uma época em que ir pra aula era divertido pela troca de papéizinhos, pelos comentários infames, pelas fofocas inúteis, pelos suspiros abafados.
Das amizades que hoje estão tão distantes mesmo tendo um dia jurado nunca se afastarem.
Percebi quantas pessoas eu jurei que não deixaria sumir de mim e que, hoje, eu não sei mais por onde andam. Lembrei de pessoas que mudaram de cidade e que nunca dão notícias e também lembrei daquelas que ainda estão em Uberlândia mas que nunca vejo!
De repente eu comecei a sentir um vazio que parecia estar dormente desde o fim do ano passado e só agora começa a aflorar. Enquanto, na formatura, todos choravam por ter chegado ao fim todos aqueles 3 anos de convivência eu me sentia tão bem. Parecia ainda não ter realizado o que aconteceria depois. E ao me dar conta disso ontem a noite, foi como se eu sentisse um pedaço de mim indo embora com cada um dos meus amigos que hoje não passam de conhecidos.
E esse vazio era incrivelmente latente e dolorido.

Como pude deixar que todas essas pessoas simplismente saissem da minha vida?
Mas que tolice! Não depende de mim.

Em meio aquela confusão eu tentei fazer a coisa mais burra que alguém poderia ter feito. Tentei me convencer de que meus novos amigos ocupariam o lugar dos que já foram, mas não consegui.
Eu não conseguiria igualar as pessoas, os defeitos e as qualidades que me fizeram odiar ou amar um ou outro.

E essa foi a minha derrota.
A minha derrota foi perder pro tempo, perder praquilo que ninguém consegue deter.



"De repente, a gente vê que perdeu
Ou está perdendo alguma coisa
Morna e ingênua que vai ficando no caminho
Que é escuro e frio, mas também bonito porque é iluminado
Pela beleza do que aconteceu há minutos atrás"
Cazuza




"E não podemos evitar

Que a vida trabalhe
Com o seu relógio invisível
Tirando o tempo de tudo
Que é perecível..."
Biquini Cavadão



2 comentários:

Adrielly Soares disse...

Eu sei que é inútil fazer promessas as quais a gente não pode cumprir, mas se é verdade que o que valhe é a intensão; eu prometo não deixar você sumir de mim, mesmo que você tente.
Eu sei que três anos não são nada diante uma vida toda que a gente ainda tem, mas esses três anos no mínimo, são imortais e você faz parte deles.
E com seus defeitos todos e as qualidades tdoas se tornou a amiga mais perfeitinha, mais chata, mais implicante e emburrentaaaa...
A saudade você 1á sabe é infinita.
E eu queria te agradecer por me ajudar a não deixar essa a0mizade morrer assim.
Amo³³³³³³³³³³³³³³³.






Obs: Estranho como você passou de A menina chata à melhor amiga o0

xD
=********

Obs2: Demorei 72 mil horas pra comentar isso ,mas você valhe a pena o esforço.

Eu... disse...

Muito legal seu blog!

:D