sexta-feira, 27 de março de 2009

Vontade

E você se sente estranha.
E você sabe exatamente por que você se sente estranha.
E você não quer admitir, por que admitir que é fraca pra si mesma já é uma tarefa difícil, quanto mais deixar isso visível pros outros.
E você então tenta fingir que tudo está normal, mas quanto mais finge, mais artificial fica.
E você começa a se sentir superficial, oca, rasa. Como se fosse inteira casca sem recheio, sentimentos sem intensidade, vontades sem fim.
Quando se sente inteira falta, as vontades começam a nos dilacerar.
Se começa a querer tantas coisas e a sentir tanta saudade, mesmo de coisas nunca vividas, nunca sentidas. É como se você soubesse quanta falta aquilo te faz, mesmo sem nunca ter experimentado. É como querer ser tudo ao mesmo tempo, querer sentir tudo, mesmo que tanto sentimento lhe transborde pelos olhos e ouvidos.
E que transborde sentimentos e que transpire paixões e saudades.
Se falta intensidade aqui dentro, sobra vontades aqui fora.


"E é só você que tem
A cura do meu vício
De insistir nessa saudade
Que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi."
Legião Urbana

4 comentários:

Cris Fonseca disse...

Já dizia o grande mestre Humberto as vontades passam, mas voltam no outro dia...

Insolente disse...

hum...então essa sensação desvairada anda tomando conta do mundo? De certa forma é boa, mas é assustadoramente forte e exigente.
E agora que você pôde encontrá-la em prosa com tanta exatidão, devia nos dar a cura.

Lívia Vasconcelos disse...

Essa sensação não se explica. acredite, é normal.
às vezes, a gente só quer fugir.

Carol disse...

Como disse drummond...
"A gente sente saudade do que nunca viveu, e dói. Dói muito!"(mais ou menos assim,kk)

Beijão Kaká!